segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Resposta de Hélio Fernandes

Limongi, são mais de 30 anos que lutamos lado a lado, e como dizia o apostolo Paulo "sempre combatendo o bom combate". Você é o único jornalista que pode dizer que já escreveu em todos os jornais do país. Pois você se habituou a mandar cartas para todos os órgãos. Do Oiapoque ao Chuí, fossem de esquerda, de centro ou de direita, publicavam o que você mandava. Tinham a certeza, que tudo que precisava ser dito, você dizia, e continua dizendo, sem nenhum interesse oculto. Repetindo você, continuaremos lutando e derrotando os fariseus. Abraços e saúde.

Comentários sobre o texto do aniversário do HF:

O maior símbolo, o verdadeiro Patrono do jornalismo brasileiro. (João Carlos Feichas Martins)

Hélio Fernandes e Limongi juntos é memória para produzir enciclopédia política. (Renato Riella)

Neymar, revidar e ser expulso é para otário

Melhor Neymar ser expulso agora, jogando pelo PSG ou amistosos da seleção, do que na Copa do Mundo.Dos males o menor.  Já era para Neymar está mais do que vacinado contra provocações dos adversários. Messi parece ter nervos de aço.  Também apanha muito em campo, mas nunca vi o craque argentino revidar, ao ponto de ser expulso e prejudicar a Argentina. Neymar devia se espelhar em Pelé, o maior de todos. Campeão do mundo aos 16 anos. Quanto mais recebia botinadas e coices, mais Pelé crescia em campo.  Fazia gols. Dava espetáculo e ganhava os jogos. Revidar, ser expulso e perder o jogo é coisa de otário. Aprende, Neymar.

SUFRAMA e Amazonastur discutem ações de fomento de turismo

A realização da Feira Manaus de Duas Rodas, a criação de um museu da história da Zona Franca de Manaus (ZFM) e a inclusão de um roteiro turístico de visitação das fábricas do Polo Industrial de Manaus (PIM). Essas foram algumas da ações de fomento do turismo discutidas entre  a Suframa e o presidente da Empresa Estadual de Turismo (Amazonastur), Orsine Oliveira Junior.

De acordo com Orsine Oliveira,   a ideia é começar o planejamento “desde agora” para que os eventos comecem a ser realizados em fevereiro de 2018, quando o modelo ZFM completará seu 51º aniversário. “A indução do turismo de eventos no Amazonas é a estratégia ideal para consolidar a atividade turística do Estado”, frisou Orsine Junior.

Entre as ações conjuntas previstas está a participação no Salão de Duas Rodas, que ocorrerá em novembro, em São Paulo, para iniciar o processo de captação de empresas do setor para participarem da primeira edição do Salão de Duas Rodas do Amazonas, que deverá ocorrer no Centro de Convenções Vasco Vasquez, provavelmente em março.

Outro projeto é utilizar a estrutura da Central de Fiscalização Rodoviária (CFR) da SUFRAMA, próxima ao Porto da Ceasa, para a criação de um museu que conte a história da ZFM, incluindo a exposição de produtos que deixaram de ser fabricados. Também integrariam ao projeto, a criação de um roteiro turístico de visitação das linhas de produção das fábricas do PIM e a implantação de um “Duty Free” no Aeroporto Internacional Eduardo Gomes. Nas lojas do Amazonas Duty Free, os produtos fabricados na ZFM serão vendidos com isenção de impostos estaduais a passageiros de voos nacionais e internacionais.

Na parceria entre a SUFRAMA e Amazonastur também foi discutida a possibilidade do treinamento técnico de funcionários do órgão estadual para que sejam incluídas nas apresentações a potenciais investidores estrangeiros as vantagens fiscais concedidas em quem investe no Amazonas.

COLLOR APRESENTA PARECER SOBRE A DEFESA NACIONAL

Parecer do senador Collor é aprovado pela Comissão Mista de Controle das Atividades de Inteligência. Em seu relatório, Collor discorre sobre a Política e a Estratégia Nacional de Defesa, bem como o Livro Branco de Defesa Nacional. O Livro é o mais completo documento acerca das atividades de defesa do Brasil. Por ele, o cidadão brasileiro e a comunidade internacional tomam conhecimento das políticas e ações que norteiam os procedimentos de segurança e proteção da nossa soberania. No final, Collor recomendou um Decreto Legislativo para aprovar a Política, a Estratégia e o Livro, cujos conteúdos devem ser remetidos ao Congresso Nacional, conforme determina a lei.


domingo, 22 de outubro de 2017

Capachos assinam carteira na Globo


O setor de pessoal da Globo, Globonews e O Globo, convoca com urgência os seguintes funcionários para renovar a carteira de trabalho. Pela ordem de entrada no ar, bajuladores  colaborando com os interesses da Globo,  sobretudo no Jornal Nacional: Chico Alencar, Alexandre Molon, Randolfe Fernandes,  Alvaro Dias, Efraim Filho, Glauber não-sei-de-quê, Vanessa Grazziotin, Jandira Feghali, e outros puxas-sacos da mesma laia.   A direção das organizações Globo desde já agradece os bons serviços prestados pelos ôcos  parlamentares citados no edital de convocação. Por fim, informamos que Chico Alencar, disparado o mais capacho da lista, seguido de perto por  Randolfe Rodrigues,  ganharão  também o troféu "Sabujo Global". Com chances de aparecer no "Globo Rural".

Moro fora da rinha política

Jelton Arquibancada nas nuvens. Realizado e mais feliz do que criança quando ganha doce. Motivo: entrevistou o vaidoso-mor da República, Sérgio Moro. A televisão do mal, mentirosa e torpe de nascença, encheu-se de falsa isenção e cretino desprendimento.  Mais uma vez o deslumbrado juiz serviu de bucha de canhão da torpe, infame e descarada  orquestração da Globo contra Temer e contra o Legisltivo, e, agora, também, contra o STF.  O empavonado Moro sumiu das pesquisas presidenciais. Sonhou, acordou e quase  caiu da cama. Quebrou todos os espelhos de casa. Por pouco não deprime. Diante das evidências do fracasso anunciado,o galã de preto   garantiu  para Jelton Arquibancada que não é candidato e nem pretende seguir  a carreira política. Singela auto-crítica é isso. 

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

APAE Manaus recebe doação de horta da Câmara Nipo Brasileira do Amazonas

A Câmara Nipo Brasileira do  Amazonas entregou sexta-feira, 20, uma horta orgânica, criada especialmente para a Associação dos Pais e Amigos do Excepcionais de Manaus (APAE-Manaus). O evento foi  na APAE   com a participação  do presidente do Centro da Indústria do Estado do Amazonas (Cieam), Wilson Périco, e do Vice-Presidente Whirlpool Latin America, Armando do Valle.

Segundo o vice-presidente da Câmara Nipo, Iuquio Ashibe, as verduras e legumes que serão plantados na horta servirão  para consumo dos internos da Apae. “Desde 1999 temos uma parceria com a APAE Manaus e neste ano nossa contribuição será essa com essa horta”, explicou Ashibe.

De acordo com Iuquio Ashibe, a Câmara Nipo é quem ficará responsável pela cuidados e capacitará pessoas indicadas pela APAE para que, no futuro, eles possam assumir a responsabilidade de manter a horta.

“É uma horta bem diversificada com couve, cebolinha, pepino, chicória, alface, tomate...garantindo assim uma alimentação rica em nutrientes”, enfatizou o vice presidente da Câmara Nipo.

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Hélio Fernandes tem a energia de Deus

Hélio Fernandes tem a energia de Deus.  A têmpera dos fortes. O vigor e a coragem dos verdadeiros guerreiros. Não se abate diante dos obstáculos. Completando 97 anos de idade, Hélio continua escrevendo diariamente textos contundentes, claro, precisos, verdadeiros e marcantes. Covardões patrulheiros e patrulhados omitem o aniversário de Hélio Fernandes.  Decano altaneiro da legítima imprensa. Quando toda a corja de pulhas ainda estava nos  cueiros, Hélio já lutava pelo Brasil. Contra opressores, contra falsos patriotas, contra venais que continuam sem honrar as calças que vestem. Vermes sem cérebros engravatados. Tenho fé em Deus que Hélio Fernandes  continuará vencendo a corja de fariseus e canalhas. Abraço forte, saúde e beijos para Hélio. 
Foto: Cláudia Martini


segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Collor exige senado forte e soberano

Esclareço ao analista José Casado (O Globo-10/10) que não é do feitio do senador Fernando Collor agir com ressentimento. O ex-presidente raciona com a própria cabeça e anda com as próprias  pernas. Collor não é dissimulado. Defende a constituição e um senado forte e soberano. Não faz parte de nenhum grupo de senadores que ameaça o STF através do presidente da Câmara Alta, Eunício Oliveira. 

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Brasil firme em direção ao hexa

Marco Polo Del Nero é pé-quente e pragmático.  Tirou Dunga porque a seleção não estava bem. Corria o risco de não ir, pela primeira  vez, para uma copa do mundo.Batia na porta uma tragédia esportiva desanimadora e lamentável  para o Brasil penta campeão do mundo. Marco Polo chamou Tite . O carismático treinador  deu novo ânimo e cara para a seleção. As vitórias chegaram e o torcedor voltou a vibrar e acreditar na seleção. o Brasil  foi a primeiro a se classificar para a copa.  A seleção também é vitoriosa no quesito gestão.  A CBF  trabalha unida e vigorosa para que nada falte a Tite, atletas e comissão técnica.Patrocinadores acreditam na escalada da seleção em busca do hexa.  Rebotalhos  perdem tempo estrebuchando e sangrando ódio pelos olhos. Desconhecem, por rigorosa má-fé e incompetência que nada é mais grandioso em busca de um objetivo, do que o trabalho isento e eficiente. 

Indicadores do PIM apontam retomada de empregos

Os Indicadores de Desempenho do Polo Industrial de Manaus (PIM), divulgados pela SUFRAMA, apontam retomada de empregos na indústria incentivada da capital amazonense. Os números mais recentes, referentes ao mês de agosto, apontam, no acumulado do ano, 18.225 contratações contra 17.450 demissões, o que significa um saldo positivo de 775 vagas. A média de pessoas empregadas no PIM em 2017 está em 84.902 pessoas. No período de janeiro a agosto do ano passado, era de 84.682. Ainda que de forma tímida, o acumulado nos oito primeiros meses deste ano representa 0,25% mais empregos que o mesmo período de 2016.

Faturamento

As empresas do PIM faturaram R$ 50,8 bilhões entre janeiro e agosto deste ano. Este número representa um crescimento de 6,90% em relação ao mesmo período do ano passado. Analisando o faturamento em dólar, o crescimento relativo é ainda maior, em função da desvalorização da moeda americana frente à moeda nacional no período: 18,39% (saindo de US$ 13.6 bi para US$ 16 bi).

Com exceção do mês de junho, todos os meses deste ano vêm apresentando melhor desempenho de faturamento em relação ao ano passado. Levando em conta apenas o mês de agosto, o faturamento, em Real, saltou de R$ 6,9 bilhões para R$ 7,2 bilhões (crescimento de 4,56%).
Do total faturado nas indústrias do PIM, 28,88% diz respeito ao setor Eletroeletrônico que, sozinho, já faturou R$ 14,6 bilhões este ano, sem levar em conta os Bens de Informática. Somados, Eletroeletrônico e Bens de Informática representam quase metade do faturamento de todo o Polo Industrial de Manaus, com R$ 25 bilhões acumulados de janeiro a agosto. O setor de Duas Rodas representa 13,80% do total faturado, não apresentando evolução em relação a 2016, mas mantendo a média de faturamento, apesar da queda de 9,32 % no total de motocicletas produzidas.
Em relação aos produtos, o maior crescimento registrado vem dos Home-Theaters, que saltaram de 29.796 unidades produzidas em agosto de 2016 para 65.734 unidades em agosto deste ano: crescimento de 120,61%. Aparelhos de GPS, monitores de LCD e aparelhos telefônicos também apresentaram mais de 100% de crescimento no período. As maiores quedas registradas foram em videogames, câmeras fotográficas digitais e condicionadores de ar do tipo janela (embora os aparelhoAnálise

Para o superintendente da SUFRAMA, Appio Tolentino, a retomada da geração de postos de trabalho, aliada ao desempenho crescente do PIM em diversos segmentos industriais, tem possibilitado projeções cada vez mais otimistas para o restante do ano. "A SUFRAMA busca fomentar um ambiente de negócios propício ao crescimento econômico e à geração de emprego e renda na região. O PIM é nossa principal ferramenta nesse aspecto e é muito importante verificar estatísticas positivas como essas. Também iremos trabalhar cada vez mais intensamente na atração de investimentos, para que novos empreendimentos cheguem à região e esses números só venham a crescer ainda mais nos próximos anos", disse Tolentino. Os splits tenham tido crescimento de 53,67%).

Análise

Para o superintendente da SUFRAMA, Appio Tolentino, a retomada da geração de postos de trabalho, aliada ao desempenho crescente do PIM em diversos segmentos industriais, tem possibilitado projeções cada vez mais otimistas para o restante do ano. "A SUFRAMA busca fomentar um ambiente de negócios propício ao crescimento econômico e à geração de emprego e renda na região. O PIM é nossa principal ferramenta nesse aspecto e é muito importante verificar estatísticas positivas como essas. Também iremos trabalhar cada vez mais intensamente na atração de investimentos, para que novos empreendimentos cheguem à região e esses números só venham a crescer ainda mais nos próximos anos", disse Tolentino.







quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Casagrande ameaçado por criticar jogadores que elogiaram Bolsonaro - 11/10

Ancelmo,

Quem é Casagrande para patrulhar os outros?

"tempos de intolerância" de quem, Ancelmo??!!

Com que autoridade Casagrande se fantasia de 

moralista? 

porque é da tv-Globo??!

porque escreveram um livreco sobre ele?

Ganhou alguma copa do mundo??

Já que insiste em exibir qualidades que não tem,

deveria  deixar de conversa fiada e se candidatar

nas eleições de 2018. 

Não se julga duro , machão e sabidão?

Caso contrário, que permaneça hipócrita e

saiba  que quem diz o que não deve, ouve o que

não quer.

Ou deixe de ser paladino de araque

e aguente o tranco 

pois o jogo é duro. 


 LIMONGI

brasilia-df

Kfoury e Tostão, paladinos de meia pataca

Fracassado como jornalista e escritor, o folclórico Juca Kfoury em seus enfadonhos,  fedorentos e desacreditados  rabiscos, enfatiza   que é  idiota, embusteiro, torpe, venal, rancoroso, recalcado, pretensioso, arrogante, abjeto, repugnante, rebuscado, cretino, asqueroso, cínico, destrambelhado, leviano, dissimulado, mentiroso, calhorda, inexpressivo, obscuro,  sacripanta, beócio e parlapatão. Sempre movido com inconfundível  "estilo gilette, ou seja, corta  dos dois lados", na definição irretocável do deputado federal e ex-presidente do Corinthians, Andreas Sanches.  Kfoury engana a boa fé dos trouxas. Entre eles, Tostão. Outra vestal grávida e gênio da lâmpada estragada. Se julga o maior analista de futebol do planeta. Coitado. Sem noção. Tostão é apenas mais  expoente do timeco  dos falsos isentos e paladinos de meia pataca. 

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Nosso povo é ingrato - Carlos Brickmann


Desculpe, mas é preciso registrar que nossos concidadãos só reclamam, e quando suas reclamações são atendidas reclamam do mesmo jeito.
Carlos Arthur Nuzman, supremo cacique olímpico e chefão do vôlei, foi preso há dias. E está todo mundo indignado com ele. Lembremos: durante 50 anos, o país só viu o ouro olímpico em 1920 (Guilherme Paraense, tiro). 1952 e 1956 (Adhemar Ferreira da Silva, salto triplo). Não ganhávamos ouro olímpico nem no futebol. Enquanto isso, americanos, russos, cubanos, alemães orientais e chineses se entupiam de medalhas de ouro. Com a prisão de Nuzman, descobrimos que em seu poder tinha 16 barras de ouro. Mais ouro que todas as medalhas de todos os gringos, em todos esses anos, somadas. Agora reclamam dele por realizar nossos sonhos de medalhas!
E Geddel, então? Geddel, mais que uma pessoa, é legião; aqui o citamos como símbolo de tantos colegas que, como ele, se dedicam ao bem. E essa nobre atividade é desempenhada com tanto desvelo que, em poucos anos de carreira, os mais competentes entre eles já acumularam bens de sobra. Geddel, nosso exemplo, tinha R$ 51 milhões em casa.
Temos ainda o túnel construído para roubar R$ 1 bilhão do banco. Nós nos queixamos de obras superfaturadas e malfeitas. Este túnel foi bem feito em três meses, é sólido, custou R$ 4 milhões. Não temos do que reclamar: apenas reconhecer que os bandidos dos outros são melhores que os nossos.
Sem fantasia
Devido à prisão de Nuzman, acusado de pingar pixulecos para trazer ao Brasil os Jogos de 2016, o Comitê Olímpico Internacional suspendeu o Comitê Olímpico Brasileiro. Indignação por essa coisa tão feia, suborno!
Mas, desde que se concluiu que a Olimpíada é um grande evento turístico-econômico, Governos dos mais diversos países entraram na disputa para atraí-la. Devemos acreditar que, apesar dos abundantíssimos interesses comerciais em jogo, jamais algum Governo acenou com um “por fora” a dirigentes olímpicos que o apoiassem? Serão os dirigentes da Olimpíada tão fiéis ao amadorismo no esporte que não queiram, para usar o termo da moda, “monetizar” seu voto e influência? Devemos? Então, tá.
Vem que eu te quero tolo
As primeiras investigações indicam que Nuzman duplicou seus bens nos dois anos anteriores aos Jogos. Deve ter feito excelentes negócios, que lhe deram muito dinheiro, mais algum para gringos que poderiam ser úteis ao país. Ou isso, ou recebeu o dinheirão da turma lá de cima, separou uma boa parte para sim (quem parte e reparte sempre fica com a melhor parte) e deu o restante a gulosos futuros aliados internacionais. Fica faltando identificar a turma lá de cima. É só procurar nos jornais da época quem é que estava mais feliz com a vitória politica que era trazer ao Brasil a Olimpíada. Este colunista não vai pesquisar, não: já está cansado de ouvir o “é górpi!”
Vem prender-te em meus braços
Pegar aquele túnel tão bem feito no momento em que já estava debaixo do cofre do banco foi uma bela vitória. Só resta uma dúvida: por que não esperar os bandidos começarem a parte final do trabalho, o corte do cofre, para prender todos juntos? Há várias hipóteses: ou os bandidos detectaram a movimentação da policia e caíram fora ou, pior, tinham informantes bem situados que lhes contaram que a Polícia já havia descoberto tudo.
O erro dos afobados
O deputado Ricardo Tripoli, líder do PSDB na Câmara Federal, acha que o governador Geraldo Alckmin erra ao aproximar-se do presidente Michel Temer. Alckmin, possível candidato do PSDB à Presidência, quer minar as resistências do PMDB, o partido de Temer, a apoiar um candidato tucano. Tripoli acha que o Governo Temer já está com a popularidade perto de zero e, no ano que vem, terá virado pó. E seu apoio, em vez de ajudar o candidato tucano, irá é prejudicá-lo. Tripoli é um bom deputado, correto, estudioso, mas está se deixando levar por pesquisas fora de hora.
Número é número
Neste 6 de outubro, foram divulgados os números da inflação. A alta em setembro foi de 0,16% - um número baixíssimo, a ser festejado até na Suíça ou Alemanha. No acumulado do ano, de janeiro a setembro, a inflação foi de 1,78%. Fazendo-se a conta de 12 meses, de outubro de 2016 ao final de setembro de 2017, a alta de preços atinge 2,54%. A meta de inflação definida pelo Banco Central é de 4,5% ao ano, e Dilma jamais conseguiu mantê-la nesse nível. No momento, o Brasil discute ladroeira, está em crise política, Michel Temer sofre com processos. Na hora em que o país descobrir que o dinheiro está mantendo o valor, o apoio oficial volta a ser bom. Claro que Meirelles pode sair candidato, capitalizando o fato de ter comandado o time que segurou os preços, mas é sempre melhor estar do lado da inflação baixa, e não da desvalorização do dinheiro do eleitor.
     COMENTE: carlos@brickmann.com.br
Twitter: @CarlosBrickmann

Comitiva da Suécia recebe informações sobre o modelo ZFM

O funcionamento do modelo Zona Franca de Manaus (ZFM) foi tema da reunião na Suframa  entre técnicos da autarquia e uma comitiva sueca liderada pelo conselheiro técnico-científico da embaixada da Suécia no Brasil, Mikael Román, com a participação ainda de professores das universidades Nilton Lins, Unicamp e do ABC paulista. O evento faz parte da programação do Workshop Brasil-Suécia sobre digitalização da Amazônia. 

De acordo com o conselheiro da Suécia, o interesse da missão é levantar potencialidades na área de satélites, tecnologia de sistemas autônomos e drones, entre outros. “Essa viagem faz parte da sexta semana de Inovação Suécia-Brasil. Estamos com essa comitiva descobrindo novas regiões e aprofundando cada vez mais a dinâmica deste projeto para que chegue na sua capilaridade”, afirmou o conselheiro.

A comitiva foi recebida pelos técnicos da Coordenação Geral de Estudos Econômicos e Empresariais da SUFRAMA, Jessé Rodrigues e Dave Silva, que apresentaram um histórico do modelo Zona Franca de Manaus e as vantagens comparativas de investimentos na região. “A SUFRAMA trabalha com a missão de promover o desenvolvimento regional executando uma política pública do governo federal brasileiro baseada no uso de tributos para fomentar o desenvolvimento regional por meio da industrialização”, afirmou Jessé Rodrigues. 

Outros assuntos levantados durante a reunião foram os recursos de Pesquisa & Desenvolvimento (P&D), oriundos da Lei de Informática, que têm como programas prioritários no Comitê das Atividades de Pesquisa e Desenvolvimento na Amazônia (CAPDA) a Economia Digital, a Biotecnologia e a Formação de Recursos Humanos. A Zona Franca Verde (ZFV), que incentiva a criação de indústrias nas Áreas de Livre Comércio (ALCs) a partir de produtos com preponderância da matéria-prima regional, também foi discutida como proposta recente de desenvolvimento industrial nas demais áreas de abrangência da SUFRAMA.

Covardia com anjos de Janaúba

Irretocável,  pungente, doloroso,  dramático e dilacerante o belo artigo de Cida Barbosa ("Um mundo maligno"- Correio Braziliense -9/10). O início é revelador e avassalador. Verdade que dói no coração. Permanente pesadelo dos que amam seus filhos e lutam para preservá-los:  "Estamos num mundo covarde, bárbaro, repulsivo, infame". Crianças merecem homenagens no dia 12. Mais amor do que nunca. Porém, que  os adultos não esqueçam também de saudar e orar pelas crianças vitimadas em Janaúba, agora brincando e cantando no céu.

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Aniversário da Constituição - Justiça a quem merece

Amigo Gilberto,

Salve Bernardo Cabral!  Como relator-geral da

constituinte, o isento, bravo e competente

Bernardo Cabral precisa, ontem, hoje e sempre, 

ser reverenciado pelos brasileiros.  
  
Cretinice total só exaltar Ulisses  Guimarães, 

que, na verdade, durante os árduos e difíceis trabalhos

da constuinte fez três  coisas com esmero: deu 

entrevistas, tomou poir e levantou a nova Carta 

Magna.   

Palavras justas e aplausos, também, para os 

briosos relatores-adjuntos: José Fogaça, Nelson 

Jobim, Antônio Carlos Konder Reis e Adolfo de

Oliveira, já no céu. 

Também lembro que Bernardo venceu a disputa 

pela relatoria-geral, com FHC e Pimenta da Veiga,

em votação direta dos deputados. 

Caboclo bom, o Bernardo!


abs,


Limongi

domingo, 8 de outubro de 2017

Sábio FHC

É bom demais, abrir a janela, ver o sol radiante dando bom dia, fazer a barba, tomar banho e tomar café, lendo mais um artigo magistral do inatacável FHC. Exortando novos rumos para o Brasil. O ex-presidente é supimpa. Pedra noventa(ou seria cem?) FHC ilumina os espíritos   com sua incrível sapiência. Se FHC não existisse,estaríamos perdidos.  Não  sei o que seria de nossas existências. Há tempos faço economias para ir ao Vaticano assistir e aplaudir a canonização do beato FHC. 

Seleção estruturada e classificada

O torcedor brasileiro respira aliviado. Assiste de camarote o sufoco e o drama de seleções importantes correndo o risco de ficar fora da copa da Rússia. A seleção brasileira pulou a fogueira cedo. Com futebol bem jogado, se impondo em campo.Classificou-se com méritos.  Deixou a tensão e a aflição com os adversários.  Fora das quatro linhas, um componente valioso para o sucesso da seleção brasileira. A  competente e  indispensável gestão e  estrutura  da CBF. A vitória final virá com a conquista do hexa. 

Doria chama Goldman de fracassado

João Doria chama Alberto Goldman de fracassado
e Goldman devolve chamando-o de velhaco. 
Como eu venho dizendo, falta pouco para a corja
tucana sair no tapa. 
 
Silvio de Barros Pinheiro.
Santos - SP

sábado, 7 de outubro de 2017

Liberdade de expressão não é para ordinários e irresponsáveis

Perto de completar 73 anos, deploro, energicamente, a censura,  intimidação , ameaças e patrulhamento. A liberdade de expressão é saudável, estimulante e permanente. Conquista democrática das nações civilizadas. Mas não pode nem deve ser instrumento para patifes e ordinários que lamentavelmente tomaram conta da  internet e das redes sociais. Camarilha de venais, covardes e hipócritas que xingam, insultam, inventam intrigas, vociferam ódio, recalque, rancor e acusam  sem provas.  Sem ao menos ter a coragem de assinar o próprio  nome. As redes sociais tornaram-se o paraiso dos canalhas. Triste constatação.  Temer obrou bem, vetando a censura online voltada para as eleições de 2018. Resta saber quem e como se colocará freios e bom senso nos marginais e irresponsáveis travestidos de isentos.

Tite é injusto com Ganso

É patética e estranha, se não fosse trágica a omissão e o desprezo de Tite e auxiliares, ex-jogadores  Edu  e Silvinho, com o jogador  Paulo Henrique Ganso. É deplorável que Tite insista em convocar jogadores rigorosamente comuns e não dar uma chance ao talentoso e cerebral Ganso. Não me venham com a ladainha surrada segundo a qual Ganso não tem jogado. Seria enfadonho citar  quantos jogadores já mereceram chances na seleção, antes, com Dunga e, agora, com Tite, embora estivessem na reserva de seus times. O pior e mais grave: alguns deles nem entram em campo ou jogam apenas alguns míseros  minutos.  A bola pune, lembra o atilado Muricy Ramalho. O que mais entristece e irrita é o absoluto desespeito com um atleta exemplar, educado, cumpridor de seus deveres e que joga muita bola. Pelo amor de Deus, acorda, Tite. Custa dar uma chance ao Ganso? O piohr é que Tite diz que admira o futebol vistoso e inteligente de Ganso. Deve ser conversa fiada, lorota de treinador que já está se achando o maioral. E não é. Caso contrário convocaria o rapaz. Lamentável. 

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Má-fé com Collor

Na matéria com Celso Lafer (Folha de São Paulo - 2/10) o jornal omite, por má-fé ou desconhecimento, que a vitoriosa e inédita iniciativa Rio-92, foi do governo Fernando Collor e não da gestão Itamar Franco, como foi dito. Lamentável.

Amazonino não pode nem deve abrir mão de Robério Braga

Conheço a  têmpera de lutas, firmeza de atitudes e senso de justiça  de Amazonino Mendes. Convivemos juntos momentos difíceis. Sei do respeito e apreço que Amazonino tem pelos servidores competentes.  Pelo esmero e eficiência que dedicam em suas atividades . Cobra e exige dos auxiliares. Nessa linha, seguramente o governador não abrirá mão do trabalho qualificado e valoroso do secretário de Cultura, Robério Braga. Craque no que faz. A gestão de Robério engrandece o Amazonas aos olhos do Brasil e do mundo.

Collor defende a independência da instituição Senado Federal

Com o habitual vigor e firmeza, o senador Fernando Collor deu amplo aparte ao discurso do senador Romero Jucá, repudiando e lamentando que o Senado Federal se acovarde diante da decisão do STF que puniu o senador Aécio Neves com prisão domiciliar. A seu ver," o senado começou a se despir de suas prerrogativas constitucionais" durante o episódio envolvendo o senador Delcídio do Amaral. A seguir, a íntegra das palavras, duras, verdadeiras, oportunas e necessárias do senador Fernando Collor em defesa da  instituição  Senado Federal e dos senadores:

O SR. ROMERO JUCÁ (PMDB - RR) – Mas o que me preocupa agora é o ato de hoje. É o ato de hoje: se nós vamos aguardar o Supremo dizer se um Senador pode se recolher à noite, se sábado e domingo pode sair para passear com a babá, se pode exercer o seu mandato, ou se alguém zangado num dia pode dizer dois desaforos e afastar um Senador da República. É simples assim. É simples assim.
O SR. FERNANDO COLLOR (Bloco Moderador/PTC - AL) – Senador Jucá.
O SR. ROMERO JUCÁ (PMDB - RR) – Senador Collor.
O SR. FERNANDO COLLOR (Bloco Moderador/PTC - AL) – V. Exª me concede um aparte?
O SR. ROMERO JUCÁ (PMDB - RR) – Pois não, Senador Collor.
O SR. FERNANDO COLLOR (Bloco Moderador/PTC - AL) – Senador Romero Jucá, em primeiro lugar...
O SR. PRESIDENTE (Paulo Paim. Bloco Parlamentar da Resistência Democrática/PT - RS) – Senador Collor, só para esclarecer ao Plenário...
O SR. FERNANDO COLLOR (Bloco Moderador/PTC - AL) – Pois não.
O SR. PRESIDENTE (Paulo Paim. Bloco Parlamentar da Resistência Democrática/PT - RS) – ... que neste período não se permite aparte, mas é um assunto tão sério, que eu já dei para ele em torno de 25 minutos e vou assegurar os apartes quando for necessário.
O Sr. Fernando Collor (Bloco Moderador/PTC - AL) – Muito obrigado a V. Exª, Presidente Paulo Paim. Senador Romero Jucá, em primeiro lugar, gostaria de reverenciar a coragem de V. Exª, ultrapassando todas as questões de ordem física por que V. Exª vem passando, que lhe faz sentir dores além daquelas dores que lhe são impingidas pelas inúmeras injustiças que vêm sendo cometidas em relação a V. Exª, mas também as dores físicas de que V. Exª padece neste momento. E V. Exª vem para uma sessão que, concordo com o que disse, é uma sessão histórica. É uma sessão histórica. O Senado da República começou a se despir das suas prerrogativas quando, no julgamento da questão do Senador Delcídio do Amaral, preso de forma arbitrária e absolutamente em conflito com o que está dito na nossa Constituição, este Senado da República votou pela continuidade da prisão do Senador Delcídio do Amaral e se acovardou, se amofinou. Do mesmo jeito agora, passando por cima de texto constitucional, fico pasmo com os meandros por onde percorrem certos juristas para justificar a legalidade da medida imposta a um Senador desta Casa. A explicação é uma só e não cabe interpretação. Ela está clara, límpida, cristalina, no texto da nossa Carta Maior. Foi votado aqui, na última quarta ou quinta-feira, um pedido de urgência para esta matéria. E vem aquele tal do jeitinho falando em crise institucional. Desde 2012, venho falando, nesta Casa, do esfacelamento institucional. Já naquela época, eu previa que chegaríamos a um ponto como este, pelo rumo que as coisas estavam tomando, pelo empoderamento de outros Poderes em detrimento do enfraquecimento do Poder Legislativo. Se há poder legitimado neste País é o Poder Legislativo. Todos que aqui estamos, nesta e na outra Casa, sentamo-nos nestas cadeiras carregando os votos do povo que para aqui nos conduziram. Se a legitimidade numa democracia é dada pelo voto, nenhum Poder é mais legítimo do que o Legislativo. E é esse Legislativo que vem sendo achincalhado, que vem sendo criminalizado. E essa ideia vem sendo vendida com sucesso à opinião pública, quando a opinião pública precisa entender que, hoje ou em qualquer momento, um regime democrático, nós só o temos em pleno funcionamento com um Congresso Nacional eleito regularmente e funcionando. É preciso que este Congresso seja entendido como a Casa de pessoas que têm defeitos, mas que têm qualidades, que têm espírito público, que têm o desejo de ver um Brasil melhor, que têm o desejo de ver as nossas instituições fortalecidas, não uns Poderes, melhor dizendo, em detrimento de outros, mas todos igualmente, harmonicamente entre si.

Desde 2012 que venho, dessa tribuna em que V. Exª se encontra, acusando aqueles que assumiram a Procuradoria-Geral da República – e dou nome de dois: o Sr. Gurgel, chantagista; e o Sr. Janot, calhorda –, que venho denunciando as falcatruas desses dois sujeitinhos à toa. Entrei com representações contra um e contra o outro aqui, no Senado da República. Infelizmente, o encaminhamento não foi aquele que eu imaginava, que era de exigir deles a resposta às acusações que eu fazia. E eles se calaram. Ao Sr. Janot, o calhorda, durante a sabatina a que se submeteu aqui, no Senado da República, tive a possibilidade de fazer algumas indagações e mostrar a ele provas do que eu estava dizendo, e ele não respondeu objetivamente a nenhuma pergunta. E eu alertei ao Plenário da Comissão de Constituição e Justiça do Senado da República, naquela oportunidade, que não poderíamos trazer de volta esse calhorda à chefia do Ministério Público Federal, à Procuradoria-Geral da República. Infelizmente, ele teve a sua aprovação na CCJ e teve a sua aprovação aqui também, no Senado da República, para fazer o que ele fez. E, aí, estão nos folhetins e nos meios agora surgindo conversas absolutamente escusas de um Procurador-Geral da República dizendo claramente o objetivo que tinha, que coincide com aquilo que V. Exª, há pouco, enunciou da tribuna: vamos destruir o partido A, vamos acabar com o fulano de tal. Nós todos sabemos também como essas delações – chamadas delações premiadas, e como foram premiadas – foram alcançadas, com um novo tipo de tortura, uma tortura diferente daquela da Idade Média, mas tão poderosa quanto em relação aos efeitos que ela causa na pessoa que sofre o tipo da tortura da intimidação, da pressão em relação aos seus familiares, das oportunidades que se dão àqueles que delatam, de acordo com o script previamente preparado pelo Procurador-Geral da República das benesses a que eles teriam direito, se cumprissem esses crimes. Hoje, Senador Romero Jucá, concordo plenamente com V. Exª: este Senado não pode deixar de dar a sua resposta. Ouvi um ex-Presidente do Supremo Tribunal Federal dizer que, se o Senado votasse essa matéria hoje, seria uma fratura exposta no plano institucional. Veja só: o Senado querendo votar uma matéria para repor as coisas no seu devido lugar, para se fazer respeitar a Constituição, e vem um ex-Presidente do Supremo Tribunal Federal dizer que o Senado não poderá fazer isso, sob pena de causar uma fratura exposta, in verbis, no plano institucional brasileiro. Esfacelamento institucional nós já estamos vivendo desde as priscas eras de 2012 para cá. E, se o Senado, mais uma vez, num momento como este, se agachar, se agachar mais uma vez, se intimidar, correr da raia, fugir da sua responsabilidade, eu acredito, Senador Romero Jucá, que nós, aí, sim, mereceremos o crivo da opinião pública por não cumprirmos com os nossos deveres e com as nossas atribuições. Nós estamos abrindo mão dessas atribuições se não cumprirmos com o nosso dever de, hoje, votarmos a matéria que já está na mesa, com pedido de urgência. Por isso, minha solidariedade a V. Exª e minha total e absoluta concordância com os termos do seu pronunciamento. Obrigado a V. Exª. Obrigado ao Senador Paulo Paim, Presidente desta sessão.

O SR. ROMERO JUCÁ (PMDB - RR) – Muito obrigado, Senador Collor.

terça-feira, 3 de outubro de 2017

O rosnar dos críticos da CBF

Sicofantas da laia de Xico Sá (Redação Sportv) criticaram a CBF por levar os jogadores da seleção de helicóptero para a Granja Comary, em Teresópolis. Ordinários como Xico Sá nunca ergueram um tijolo em benefício do futebol penta campeão do mundo. Rosnam asneiras e recalques pela mídia. Não têm moral nem autoridade para censurar, monitorar nem patrulhar ninguém. Não sabem nada. A   decisão de usar  helicóptero objetivou apenas a segurança, rapidez e tranquilidade dos  atletas, por causa das chuvas que tornam lento e carregado o trânsito das rodovias para a região serrana.

REMANDO ESTRELAS, campeã do 6º Festival Amazonas de Música

Com uma letra de linguagem amazônica que fala do céu, das águas e seus mistérios, “Remando Estrelas” conquistou o grande prêmio do 6º  Festival Amazonas de Música, na noite da última sexta-feira (29/09), no palco do Teatro Amazonas, em Manaus. O troféu foi entregue aos compositores Rui Machado e Valdo Cavalcante, este também o intérprete da canção campeã de 2017. O Festival é uma realização do Governo do Amazonas, através da Secretaria de Estado de Cultura, em parceria com o Sindicato os Músicos Profissionais do Amazonas (Sindmam) e apoio da Agência Amazonense de Desenvolvimento Cultural (AADC). A canção tem letra de Rui Machado, artista plástico e poeta, já bastante conhecido do público por suas toadas para o Boi Bumbá Caprichoso e grandes sucessos gravados pelos grupos Carrapicho, Canto da Mata, Raízes Caboclas, Imbaúba, Raízes do Norte, além de cantores como: Márcia Siqueira, Lucilene Castro, Zezinho Corrêa, Sidney Rezende, J. Carlos Portilho, David Assayag, Arlindo Junior, Amilcar Azevedo, Cafuringa, Jorge Bartholo, Mirtes Melo e outros. Nas artes plásticas, Rui Machado é bastante atuante com diversas exposições individuais e coletivas, já recebeu prêmios nacionais e regionais, destacando a Medalha de Ouro Cidade de Manaus, na Câmara Municipal em 2016 e a Medalha do Mérito Cultural Péricles Moraes, na Academia Amazonense de Letras. Valdo Cavalcante, um dos compositores e intérprete da canção campeã, iniciou sua carreira aos 12 anos de idade, influenciado pelo seu padrinho Makneh, é um dos maiores nomes da música popular brasileira produzida no Amazonas. Como violonista tocou com vários cantores do cenário artístico amazonense como: Márcia Siqueira, David Assayag, Lili Andrade, Fátima Silva e outros. Em 1997 fez parte do grupo de toadas Raízes do Norte por 4 anos. Já participou e foi premiado em diversos festivais tanto na cidade de Manaus como também no interior do estado. Em 2014 venceu o FECANI (edição 30 anos), com a música “Pintura em Lá Menor”, em parceria com Reinaldo Cardoso, levando o prêmio de melhor música, melhor letra e melhor arranjo. Atualmente se apresenta em várias casas noturnas em Manaus. A letra da música vencedora do 6o Festival Amazonas de Música, é sobre uma situação vivida anos atrás por Rui Machado e uma amiga por nome Kathleen Neves, que em uma noite estrelada no rio Tarumã, dentro de uma canoa, puderam ver estrelas cadentes e com isso tinham a sensação de que as estrelas estavam no rio, eles as remavam e assim elas seguiam na correnteza até encontrarem o oceano onde se transformariam em estrelas do mar. Depois do ocorrido a imagem foi arquivada na memória, e cerca de 3 anos atrás, Machado fez um poema que Valdo Cavalcante musicou de forma bela e forte. Assim surgiu “Remando Estrelas”, a grande campeã de 2017. Rui Machado também dedicou a canção a sua Mãe Aurora, pois a música ficou pronta na véspera de sua partida, e foi o último trabalho que ela pode ouvir e depois disse ter gostado bastante, tornando assim a canção mais forte e significativa.

Legado tucano aos coxinhas

Metade das ruas da cidade de São Paulo teve ao menos um roubo de celular registrado do início de 2016 até agosto deste ano. São cerca de 32 mil ruas afetadas por mais de 208 mil ocorrências de um dos crimes que atingem o morador da capital com mais frequência.

São Paulo é o Estado que mantém as polícias civil e militar sucateadas, paga os piores salários do Brasil para os policiais e fecha delegacias durante a noite.

Esse é o legado que a corja tucana, que saqueia São Paulo há mais de 20 anos, propicia aos idiotas que
votam neles.

Sabe o que coxinha tem mais?

Silvio de Barros Pinheiro
Santos - SP

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Assistência de Direção para Cinema foi tema de formação com Joana Limongi

Diretora de curtas-metragens como “A descoberta do mel” e “Faca amolada”, a cineasta comandou oficina no Museu Casa Eduardo Ribeiro

Quais as habilidades necessárias para trabalhar na direção de um filme? Que processos e etapas se deve seguir na produção? Essas e outras questões estão no programa da oficina de Assistência de Direção para Cinema, que a cineasta Joana Limongi ministrou na sexta-feira (29) e sábado (30), no Museu Casa Eduardo Ribeiro, no Centro. A formação integra a agenda da Mostra de Audiovisual do Circuito de Artes Visuais, promovido pelo Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura.
Diretora de três curtas-metragens, entre eles “A descoberta do mel” (2009), e assistente de direção em produções diversas, Joana Limongi divisa quatro habilidades essenciais para trabalhar nessa área.
“É preciso ter técnicas, pois há metodologias para se preparar para uma produção; habilidade humana, de saber tratar, ouvir e se comunicar com as pessoas; estratégia, para estimar o tempo para realizar o filme; e arte, que é a bagagem artística que você carrega, de filmes, músicas, viagens, livros, peças, tudo aquilo de que você se alimenta artisticamente”, enumera.
Na oficina em Manaus, Joana enfocou essas habilidades e explorou mais a fundo os preparativos que são de responsabilidade do diretor assistente na metodologia de planejamento de um filme: Análise Técnica, Plano de Filmagem e Ordem do Dia.
De família com raízes no Amazonas, Joana se diz contente de poder trocar ideias com os realizadores locais, nos quais enxerga um grande desejo de produzir cinema. “As pessoas aqui são muito criativas e produzem filmes na guerrilha. Vejo uma energia forte, de pessoas muito ávidas para fazer cinema. Hoje trabalho no Festival de Cinema de Taguatinga (DF), e fico feliz de ver produções de Manaus selecionadas, filmes e documentários muito legais”, conta.
Ela destaca o papel da assistência de direção na realização de um filme. “É um aspecto importante para que um filme seja bem sucedido no set. É interessante passar esse conhecimento prático para que as pessoas possam fazer seus filmes”, assinala a diretora, que diz ter tido a sorte de aprender com profissionais de peso, entre eles Hsu Chien, Ivan Teixeira, e Kity Féo e Marcela Lordy. “Eles me ensinaram tudo. Adoro pensar que ensino hoje da mesma maneira como aprendi com eles”.

Trajetória – Joana Limongi é cineasta e artista plástica. É graduada em Artes Visuais e mestre em Artes pela Universidade de Brasília (UnB), tendo feito vários cursos na área do cinema, entre eles o curso de Roteiro da Escuela Internacional de Cine y Televisión (EICTV), de Cuba.
Estreou como diretora em 2009, com “A descoberta do mel”, curta de cunho experimental. “Depois dirigi outros curtas e trabalhei em diferentes funções no cinema, até entender que queria atuar como assistente de direção. Eu me realizo com isso”, declara ela, que atuou pela primeira vez como diretora assistente num longa ao lado do diretor Renato Barbieri, no documentário “Cora Coralina – Todas as vidas” (2015).
Apesar da paixão pelo trabalho no cinema, Joana minimiza o fascínio em torno de seus realizadores. “Outro dia vi o Edgard Navarro dizendo que não quer mais ser chamado de cineasta, mas de ‘cinemeiro’. Achei muito legal, e também me considero uma ‘cinemeira’. É um ofício de operário, de muito trabalho. ‘Cineasta’ traz uma ideia de glamour, que não existe no trabalho de verdade”, conta.
Ela também vê relação entre o cinema e outra atividade a que hoje vem se dedicando: a apicultura. “As abelhinhas fazem tudo no coletivo, e no cinema é assim também”.

Força, credibilidade e respeito ao Polo de Manaus

Projetos de melhorias, inovação e desenvolvimento sustentável têm proporcionado, ao longo dos últimos 18 anos, principalmente às empresas do Polo Industrial de Manaus (PIM), um retorno que vai além do financeiro. A gigante Panasonic do Brasil Ltda, uma das 31 finalistas do Prêmio Qualidade Amazonas (PQA) deu carta branca para uma equipe de colaboradores encontrar uma solução para o elevado custo de produção no setor de TV. O resultado foi apresentado pela empresa na 18ª Mostra de Gestão e Melhorias para a Qualidade, promovida pela Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam), no auditório da Suframa. A solução na Panasonic passou por mudanças nas linhas de montagem, capacitação da equipe de manutenção e redução no consumo de energia, o que permitiu uma diminuição de 10,57% nos custos de fabricação dos aparelhos de TV e um ganho financeiro anual de R$ 312 mil. De acordo com a engenheira de produção, Giovanna Soares, o ponto forte do projeto foi cumprir a meta de reduzir os custos de fabricação, tendo como premissa principal, minimizar ao máximo o efeito do projeto sobre demissões de colaboradores. Muito bom!

(blog Pedrinho Aguiar)
https://pedrinhoaguiar.wordpress.com/

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Overdoses de Kfoury

Juca Kfoury não perde a torpe mania de querer monitorar os outros.Adora patrulhar quem não lhe dar nenhuma importância. O rei das lorotas Kfoury consegue no máximo  uma overdose de rancor, leviandade e patetice...(Esporte - " O exemplo da NFL" - Folha de São Paulo - 28/9).

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

FUNDO DO POÇO

Lamentavelmente, nosso País chegou ao fundo do poço em termos de corrupção, moralidade política, princípios éticos e insegurança pública e privada, jamais vistas em nossa história.
Os governantes, com raríssimas exceções, se apropriaram do poder em benefício próprio amparados pela impunidade secular e inspirados pelos “êxitos” alcançados, neste particular, por seus pares e antecessores. Os políticos correram na mesma esteira e os empresários se locupletaram em conluios criminosos nas licitações de  obras, sucessivos aditivos dispensáveis, farta distribuição de propina, com a participação de Ministros de Estado e diretores de  bancos e empresas estatais.
Quantos outros  quartos com 51 milhões de reais existiram ou ainda poderão ser descobertos?
Nunca se viu tanto desvio de dinheiro público e tanto prejuízo para a população em termos de saúde e educação, principalmente, diante da conivência e/ou omissão de autoridades de diferentes níveis.
Felizmente, não há mal que não se acabe!
Muitos já estão pagando pelo que fizeram e inúmeros outros estão no mesmo caminho. Tão ou mais importante do que prisão é a devolução ao tesouro nacional, com as devidas correções, de tudo que surrupiaram.
E as delações premiadas continuam e aterrorizam corruptos e corruptores, interrompendo o caminho  livre que sempre tiveram para a consecução de seus objetivos deletérios contando com a impunidade e morosidade da justiça.
Hoje, muito se fala na LAVA-JATO, no impecável trabalho da Polícia Federal e do Ministério Público, na atuação de juízes corajosos como Sérgio Moro. Entretanto, nos esquecemos da origem de tudo isto.
Quem diria que o “mensalão” seria, de fato, o motivador de novos tempos para o Brasil.
Quantas CPI embrionárias sobre as “Empreiteiras” morreram no seu nascedouro no Congresso Nacional. Hoje, sabemos o porquê!
Roberto Jefferson foi punido pelos erros que cometeu, mas se  não fosse ele jamais chegaríamos às atuais averiguações.
A sua acusação a José Dirceu foi antológica e surpreendeu a todos  causando enorme impacto na opinião  pública justamente no momento em que Lula e o seu partido desfrutavam de grande índice de popularidade.
Naquela ocasião, o provável futuro Presidente da República iniciou  o seu calvário e Dilma foi escolhida para substituí-lo, chegando a ser reeleita.
Não se espera uma delação de Dirceu que acaba de considerar Palocci um traidor. Se a fizesse, não ficaria pedra sobre pedra porque, na prática, foi o executivo mais atuante na Praça dos Três Poderes e com enorme poder decisório, por mais de uma década.
O denuncismo ganhou muita força na vida  nacional e o dedo duro, antes censurado, é atualmente incentivado.
O que se viu no caso dos dirigentes da JBS foi um escárnio e um verdadeiro absurdo. É inconcebível a concessão de total liberdade, inclusive no exterior, a criminosos confessos só porque denunciaram seus cúmplices de longa data.
Esta mancha permanecerá nos currículos do Procurador-Geral da República e do Ministro do Supremo Tribunal Federal responsáveis por tão infeliz sentença.
A generalização de tais procedimentos, às vezes amparados sem provas concretas, pode criar deformações no caráter das pessoas.
As Escolas e os educadores terão de enfrentar este novo desafio na formação e no relacionamento das crianças para contornar atritos inevitáveis decorrentes de delações que podem maximizar os bullyngs.
Saindo do fundo do poço, temos a esperança de que, no futuro, estes “mal feitos” não mais se reproduzam com tanta frequência, intensidade e descaramento.
A honestidade deve ser a principal virtude na escolha de políticos e de dirigentes de todos os níveis. E as eleições de 2018 estão chegando!
A oportunidade deve ser aproveitada, também, para estancar os enormes desperdícios observados principalmente nos Poderes Legislativo e Judiciário, repletos de mordomias inaceitáveis que agravam a situação econômica.
Não mais acreditamos que os empreiteiros tenham coragem, daqui para frente, de formarem cartéis e usufruírem vantagens ilícitas nas concorrências públicas.
É chegada a hora de terminar com empreendimentos hiperfaturados e inconclusos por falta de continuidade administrativa e planejamento.
Equipamentos novos e caríssimos apodrecem em galpões, áreas descobertas e, até, em hospitais aguardando liberação dependente de retrógrada burocracia. Ninguém tem competência para acabar com isto?
Contando com homens de bem e equacionados estes graves problemas, sobrarão recursos para serem investidos prioritariamente na saúde, educação e segurança.
E a população ficará permanentemente grata àqueles que contribuírem, direta e indiretamente, para a reversão de tão nefasta herança.

DIÓGENES DANTAS FILHO- Coronel Forças Especiais/Consultor de Segurança.

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Suframa participa da inauguração da nova fábrica de componentes no PIM

A Superintendência da Zona Franca de Manaus (SUFRAMA), representada pela superintendente adjunta de Projetos, Paula Soares, participou  da inauguração da planta fabril da Boreo – fábrica de componentes do grupo Positivo Tecnologia – no Polo Industrial de Manaus (PIM). O evento contou com a participação do presidente do grupo Positivo, Hélio Rotenberg, e de representantes da Federação das Indústrias do Estado (Fieam) e do Centro da Indústria do Amazonas (Cieam). Estavam presentes ainda o superintendente adjunto de Planejamento e Desenvolvimento Regional da SUFRAMA, Marcelo Pereira, o superintendente adjunto de Operações, Bruno Lobato, e o secretário de Planejamento e Desenvolvimento do Estado (SeplanCTI), José Jorge do Nascimento Júnior.

A superintendente Paula Soares ressaltou    a demonstração de confiança da empresa na Zona Franca de Manaus (ZFM), que se reflete na expansão de suas atividades na região. Afirmou que “em um momento no qual a economia brasileira e a própria ZFM apresentam sinais de recuperação, tem-se a Positivo realizando investimentos de cerca de R$ 80 milhões com geração de mais de 300 empregos diretos. É a confiança que apenas um modelo cujos incentivos fiscais estão resguardados pela Constituição Federal pode oferecer aos empresários. Isto significa um aumento na geração de emprego e renda no Amazonas e, indiretamente, em outros Estados do País.”

O presidente da Positivo, Hélio Rotenberg, destacou que esta inauguração ocorre 20 meses após o início da atividade da primeira fábrica do grupo na Zona Franca de Manaus. “Trouxemos a produção de placas e baterias para a região, o que demonstra nosso objetivo de nos estabelecermos definitivamente na Zona Franca. Fizemos uma planta fabril com capacidade de produção de um milhão de componentes por hora, confiando que o momento de instabilidade do País passará e vamos crescer daqui pra frente.”


Os presentes foram convidados a prestigiar o descerramento oficial da placa inaugural da fábrica e a visitar a planta fabril, conhecendo de perto a produção de componentes que deve aumentar a capacidade produtiva do grupo na Zona Franca de Manaus.

Mar de lama na PGR de Janot

Conspiração, vazamento criminoso de informações,
assassinato de reputações. 
Esse é o mar de lama onde chafurdavam Janot e sua 
trupe de “fiscais da lei”. 
A sorte dessa “gente” é de estar no Brasil. 
Em outro lugar, estariam na cadeia. 
 
Silvio de Barros Pinheiro.
OAB/SP. 68797.

Ronaldinho sem noção

Depois do eleição  desastrosa de Romário,  um obscuro e inútil senador pelo Rio de Janeiro, outro ex-jogador famoso, Ronaldinho Gaúcho, anuncia que pretende disputar uma vaga de senador, em 2018, pelo Distrito Federal. Teríamos, então, na Câmara Alta, a patética, sem noção e  trágica dupla Ro-Ro. Ninguém merece. 

terça-feira, 26 de setembro de 2017

A família unida, bonita e feliz do empresário Luiz Antony é exemplo marcante de como o  amor, a bondade e a solidariedade vencem todos os obstáculos. Sobretudo aqueles que parecem não ter solução.
Antony, Marcelo (genro), Gustavo (filho mais velho), Joana (nora), 
Luiz Neto (caçula), Maria Julia (neta) e Bia (filha).

Falastrão Romário no programeco "Bem, amigos".

O programeco "Bem, amigos" recebeu o inexpressivo, medíocre e obscuro senador Romário. Colossal e medonho espetáculo de patetice, ordinarice e tolice. Galvão Bueno, como sempre, o supra sumo em matéria de chatice , presunção e arrogância, falou montes de sandices ao elogiar o livreco do desqualificado senador. Obra sem nenhuma importância jornalística, jurídica e literária. Romário foi na onda do falastrão Galvão. Vomitou ódio, recalque e acusações surradas e sem provas. Não tem autoridade nem moral para criticar ninguém. Teve a cara-de-pau de orientar o voto dos eleitores nas eleições de 2018. Logo  Romário  que não faz bulhufas em benefício dos cariocas. Hoje seguramente arrependidos  por votarem nele. Um completo inútil. Sem noção. Pobre diabo. 

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Turma dos sem noção atravanca a vida dos corretos

Os sofisticados adeptos do politicamente correto encontraram uma maneira de praticar com mais rapidez e insegurança suas encantadoras proezas. Agora fazem parte do Podemos, novo partido político que veio para botar para ferver nos hábitos dos brasilienses. Poderão  continuar jogando lixo ns ruas, achando que calçadas e asfalto são lixeiras. Permanecerão indiferentes e longe do bom senso:  não recolhendo a porcariada dos seus bichinhos de estimação; digitando no volante; Andando de bicicleta na calçada; passeando com cães imensos e agressivos sem a necessária e prudente focinheira; estacionando em locais proibidos;colando o carro na traseira do outro;desrespeitando  vagas de idosos e deficientes; dirigindo com o braço para fora. O engraçadinho quer exibir o relógio novo ou perder o braço. Motoqueiros  não brincam em serviço. Dar a seta  nem pensar.  Para a maioria é artigo de luxo. Sem importância.  Imaginam que a seta é para enfeitar o carro ou usar como brinco. A turma gente boa dos politicamente corretos também insiste em não usar com atenção e segurança  a faixa dos pedestres. Justiça aos motoristas. Nem todos  são incapazes de respeitar a faixa. Também são graciosos, imprudentes e irresponsáveis quem  estaciona nas curvas dos retornos, congestionando  ainda mais quem deseja entrar na comercial.  A sigla Podemos veio para ficar ainda mais perto dos sem noção. Os que agem certo e respeitam as leis e normas que se lixem.  

Grande Limongi! Como sempre, seus textos retratam  fielmente aquilo quer informar, com clareza e muita objetividade. O trânsito do DF está exatamente como colocou, talvez até pior. E olha, não é a primeira vez que você faz relatos dessa natureza. Parabéns pela iniciativa, pena que nada muda. Abraços e um ótimo domingo.
Kalil    


quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Senadora merece meu apoio

"Caro Limongi como retribuir essa atenção e generosidade comigo? Fazendo orações para que você tenha muita saude e vida longa! Fico entusiasmada com teu vigor e tua coragem para criticar figuras "intocáveis" da politica, do esporte, da Justiça, do MP e da economia! Abs e continue assim! Bom domingo!
Abs
Ana Amélia"

Caro amigo,
Essa é mais uma prova da sua estatura moral e do grande ser humano que você é, além de amigo irretocável.
O Brasil e nosso povo precisam de generosidade ontem, hoje e sempre. A humanidade necessita disso.  E nada melhor que uma pessoa pública com o alcance que você tem nas mídias para praticá-la dando um belo exemplo a todos que te leem e te acompanham.
A generosidade é doação, é própria de quem está sempre a olhar para os lados e ao seu redor.
A generosidade adoça a alma de quem recebe, e engrandece a alma de quem a pratica.
Parabéns, Limongi, pelo seu simples, porém nobre gesto, que só faz aumentar a admiração que tenho pelo amigo.
Forte abraço,
(Antony)

 Parabéns meu irmão !! É muito bom ser respeitado por uma pessoa como a nossa senadora Ana Amélia !!! Pra mim , uma das poucas representantes , que merecem a admiração e respeito do eleitor brasileiro !!!!!
(Nazaré Limongi)

Concordo com sua irmã,  meu amigo.  Parabéns.  Abs
(Rose Marie Romariz Maasri)

O meu também.
Apoio e admiração.
(Aziz)

Concordo.
(Kleber Sampaio)

Concordo inteiramente. Como jornalista sempre foi uma pessoa
séria, honesta e amiga. Como senadora, desenvolve suas atividades políticas
como dignidade, honestidade, sem vaidades. Um número reduzidíssimo ali
poderia ser comparado à Ana Amélia. É um modelo a ser seguido.
(Aylê-Salassié) 

Dupla assassina

A justiça  decidiu: bombeiro e advogado que mataram duas pessoas e feriram outras duas, fazendo "pega", no trânsito de Brasília,  foram indiciados por duplo homicídio doloso. Que paguem com o rigor que o assunto exige e que sirva de lição para outros irresponsáveis.

Horário de verão - Silvio de Barros Pinheiro

Demorou bastante, mas, finalmente, o governo começou a enxergar
a estupidez desse tal “horário de verão”.

É um tormento acintoso imposto aos trabalhadores e aos estudantes,
que têm de levantar ainda no escuro, pegar condução e se sujeitar à
insegurança reinante no País, tudo por conta de uma farsa que, apesar
da falácia dos “especialistas”, não traz economia alguma e só serve para
prejudicar a saúde da população.

A energia produzida que não é consumida simplesmente se perde e a
conta de luz nunca ficou mais barata nesse período.

Ao contrário, as pessoas começam a consumir energia mais cedo.

Na “democracia” em que vivemos, a população alguma vez foi consultada
pelos desocupados do Senado sobre a adoção desse transtorno maldito?

Acabem com esse horário farsesco.

Silvio de Barros Pinheiro.


Ganso desprezado por Tite

Tostão bateu o martelo ("O mundo ideal e o real"-Folha São Paulo- 20/9): escalou os titulares e reservas que Tite levará para a copa.  Como Tite, o colunista também despreza Paulo Henrique Ganso. Ambos fecham os olhos para a clara evolução  física e tática do virtuoso Ganso no Sevilla. Inacreditável. Tostão rasga elogios a Tite. O auxiliar técnico da seleção, Edu, que se cuide. 

terça-feira, 19 de setembro de 2017

General amedronta hipócritas

A fala do general Mourão amedrontou as vestais grávidas. Porque tanto medo das Forças Armadas?Os corruptos não dormiram.  Desinformados, ingênuos e patrulheiros deveriam  respeitar os militares. Nos governos militares não havia corrupção. O trabalho era a mola mestra das administrações. Asnos deveriam respeitar, também, as palavras do general. Ou a democracia e a liberdade de expressão não valem para todos os brasileiros? Militar também é povo. Na linha onde desponta o timeco da hipocrisia, moleques fantasiados de políticos isentos, deitaram falação contra o general Mourão. Fedelhos engravatados sem autoridade para querer dar lições a um oficial graduado do Exército, que estudou e sempre se dedicou a servir a Pátria. Quantos podem dizer o mesmo? Patético que o ministro, um civil, outro absurdo, venha a público fazer média e dizer que o general será reprendido. Inversão de valores é isso. Pobre Brasil.

Zona Franca de Manaus sob ataque

É no mínimo inusitada a proposta do Ministério da Saúde para combater a obesidade infantil no País: aumentar impostos sobre as bebidas com açúcar. Nada de campanha pelo consumo consciente de bebidas e outros alimentos “engordativos”, nada de esclarecimentos e informações nutricionais à população, nada de ações específicas nas escolas. A estratégia do governo federal se resume ao aumento de impostos. E pior: como uma parte importante da indústria de bebidas está na Zona Franca de Manaus, nosso combalido modelo será o mais prejudicado caso a medida seja, de fato, implementada.

A impressão clara é que a preocupação do governo federal passa bem longo do problema da obesidade infantil, que é uma questão     grave que precisa ser abordada de forma séria. A intenção do governo parece ser apenas a de aumentar a arrecadação e engordar a receita tributária. Mas esse tiro pode sair pela culatra; maus hábitos alimentares não serão corrigidos porque os refrigerantes vão ficar mais caros. Isso se faz com educação, conscientização dos pais, orientação nas escolas.

Por outro lado, a mudança na tributação das bebidas pode colocar em risco milhares de empregos mantidos por esse segmento na Zona Franca, fragilizando um setor que é um dos mais importantes do Polo Industrial de Manaus. Vale lembrar que os concentrados para preparação de bebidas são o principal produto de exportação da Zona Franca, responsável por mais de 30% de nossas vendas externas.

Com uma ameaça tão séria ao modelo que é o motor da economia local, era de se esperar uma reação forte dos parlamentares da bancada amazonense em Brasília. Mas o que se vê é absoluta passividade na Câmara dos Deputados, com parlamentares minimizando os efeitos da medida nas fábricas de Manaus, fazendo-se de surdos diante dos apelos de lideranças empresariais locais. A postura da bancada é exatamente a que se viu quando propostas recentes foram aprovadas no Parlamento Federal, inclusive com votos de parlamentares do Amazonas, apesar de todo o potencial prejuízo à indústria local. Quais são as chances da Zona Franca, quando aqueles que deveriam defender o modelo adotam um discurso de “não podemos vencer porque somos poucos”? O modelo ZFM vive dias muito sombrios.  (A Crítica)


sábado, 16 de setembro de 2017

Blasfêmia contra Gérson

Devagar. A manchete esportiva do Correio Braziliense exagerou. "Canhotinha de ouro" (15/9) só existe um. Mora em Niterói. Consagrou Pelé e Jairzinho  na Copa de 70, com preciosos lançamento. Foi campeão nos diversos clubes que jogou.   Faltou senso e visão histórica.  Sobrou clubismo.  Gerson Nunes, o legítimo, verdadeiro e único canhotinha de ouro merece respeito. A comparação foi patética, abusiva, infeliz e ridícula. Gerson parou de jogar há 52 anos. Até hoje não apareceu meia cerebral e com forte personalidade como ele. A própria seleção não tem meia que faça com que o torcedor lembre do estupendo Gerson Nunes. É muita responsabilidade para Gustavo Scarpa, bom jogador, ser chamado de canhotinha de ouro.  Enorme blasfêmia para o jovem meia do Fluminense carregar nas costas. 

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

O Formidável elenco de boleiros da pelada do Amaralzão


Somos 36 gloriosos atletas. Altos, baixos, gordinhos, calvos, cabeludos. Uma vez por semana passamos gel ou óleo nas canelas e lá vamos nós.A pelada do Amaralzão nasceu em 1997. Amaralzão é nosso amado anfitrião. Glorioso, atencioso  e figura humana impecável, José Gomes Amaral. Estamos  conscientes  de que nossos jogos são prolongamento de nossas vidas. Não importa se a bola reclame de alguns bicos exagerados ou se geralmente perdemos gols incríveis ou que deixamos de fazer uma bela jogada porque o peso da idade e de corpo não acompanha mais nosso raciocínio . Ou, porque não admitir, a técnica e a intimidade com a bola passaram longe. O importante é que fazemos tudo com ternura divertida. Erramos e  também acertamos. Ainda bem.  Estou certo de que os Deuses da bola nos acompanham e nos protegem. Todos carregamos dentro de nós um pouco de nossos ídolos. Exatamente porque temos consciência de nossas limitações. Ficamos felizes nos achando um Gerson, um Rivelino, um Neymar, um Tafarel, um  Diego, um Ganso, ou um Messi. Se muitos jogadores profissionais também sonham e se espelham em craques antigos, famosos e consagrados, porque nós, boleiros do "Amaralzão" também não podemos sentir este gostinho doce na ponta das  chuteiras? Nosso jantar é na primeira terça-feira do mês. Com presentes aos aniversariantes.  Com  aquela farra, alegria e ternura. Com recordações de lances e muita gozação.  Tudo  com direito a cervejas e refrigerantes. Porque ninguém é de ferro e a vida continua lá fora. Cuidemos, então, do nosso corpo. Das nossas trombadas e caneladas. Porque a vida é bela. Com amizade, solidariedade e alegria.

Recado dado. Firme, claro e categórico. Como devem ser as valorosas iniciativas dos bons combatentes. De setores produtivos e entidades merecedoras de atenção e respeito.  Amazonino Mendes é calejado, do ramo e conhecedor dos pleitos e aflições dos amazonenses e do Amazonas.Não pode nem tem tempo para errar.  Nessa linha, vai governar alinhado aos empresários, valorizando o polo industrial e  combatendo com firmeza e autoridade a canalhada recalcada e covarde que joga as patas na zona franca de Manaus. 
 
  
A Coluna Follow-Up, conforme prometido, continua, nesta semana, repercutindo o anúncio/compromisso do governador eleito, Amazonino Mendes, para sua gestão que se inicia em outubro.  As manifestações continuam. O presidente do CIEAM. Wilson Périco, relembrou, em seu artigo no Espaço da Indústria, uma bandeira de reafirmação da existência da ZFM, motivo de sobra para o Amazonas por a cara no debate e exigir respeito à constitucionalidade de seus direitos contribuições e condições de trabalho. O presidente da FEAM, Antonio Silva, foi direto ao ponto e traduziu arrumar pelo conceito de inovar e pelo respeito à Lei: "Temos recursos de sobra para diversificar a economia". Já o Conselheiro do CIEAM, Armando Ennes, não poderia ser mais emblemático e ilustrativo nas expectativas de todos. "Arrumar a casa é colocar as coisas no lugar e deixar um cheiro bom no ar". Já o empresário Saleh Hamdeh, responsável pelo Observatório da ZFM em Brasília, foi peremptório. "Arrumar não pode ser a mesmice do mesmo".

Wilson Périco: Arrumar é exigir respeito aos direitos constitucionais do Amazonas.
"A Constituição autoriza o mecanismo da renúncia fiscal para reduzir desigualdades regionais. As divisas geradas no Amazonas, portanto, precisam ser investidas na Amazônia para gerar nova base econômica regional. As riquezas naturais desta região, tão cobiçada pelo mundo, precisam de um plano inteligente, sustentável e nacional de negócios. É tão difícil isto. A Costa Rica tem um. A Colômbia está empinando... Os ativos de nossa biodiversidade – ou de nossa geodiversidade – como o potássio do Baixo Amazonas, a maior reserva deste mineral no mundo, vital para os fertilizantes do agronegócios, precisam de desembaraços burocráticos e soluções inteligentes. O nióbio de São Gabriel da Cachoeira, ou os minerais da Renca, a Reserva Mineral, Cultural e estratégica da fronteira do Pará com o Amapá, não podem virar resposta rápida para equacionar o rombo fiscal e moral que nós não criamos. A palavra de ordem é transparência, gestão com inteligência para fazer das oportunidades naturais a inteligente prosperidade social e nacional. Topamos contribuir com a equação do rombo da classe política, mas queremos ser envolvidos na definição do melhor jeito, transparente e competente, de gerenciar a Amazônia. As entidades de classe, que representam as empresas do setor produtivo, querem ter vez e voz na aplicação dos recursos que estão, a duras penas, recolhendo a favor do Brasil."

Antônio Silva "Nossa prioridade é trabalharmos juntos para criar soluções duradouras para o Amazonas"
"Vamos trabalhar e fazer o dever de casa, cada um no seu quadrado, para fazer um governo redondo, integrado, organizado e de longo e médio prazo. Cada um no seu quadrado, mas conversado para acertar o todo como um bordado de tecidos, cada um com sua cor e beleza, para fazer um tapete de uso múltiplo para nossa gente. Temos recursos de sobra para diversificar a economia. Temos recolhido generosamente verbas para pesquisa e desenvolvimento. Não falta nada, além de vontade política e integração dos setores para pintar e bordar um novo Amazonas. O ISI, Instituto Senai de Inovação, está saindo do papel. Nossa sobrevivência industrial e socioeconômica depende de inovação. Nossos instrumentos de pesquisa já podem desenvolver soluções biotecnológicas e de tecnologia da comunicação e informação. O caminho está desenhando. E ele está de acordo com a lei que dá amparo à Zona Franca de Manaus. As resinas, os biopolímeros, as biomoléculas, nosso caminho está claro, temos recursos, só falta arrumar, juntos e comprometidos.

Armando Ennes " Arrumar a casa é colocar as coisas no lugar e deixar um cheiro bom no ar"
"Arrumar a casa quer dizer limpar, é colocar as coisas no lugar e ainda deixar um cheiro bom no ar. Infelizmente nada disto tem-se sobressaído no Estado. E isto não ocorreu apenas nos últimos três anos. Nossa casa está assim, desarrumada faz tempo, e o cenário socioeconômico tem piorado. Desemprego, serviços públicos, saúde, educação, e a segurança, um problema que cresce e que preocupa a todos. Um cenário complicado e que nos inquieta cada dia mais. O que era esporádico passou a ser trivial. Não podemos naturalizar a barbárie. O que era exceção virou rotina. Os colaboradores relatam assaltos, os ônibus das empresas que servem aos trabalhadores. Quando isso vai ser enfrentado e resolvido? Estamos virando um mega corredor de tráfico e violência? Será que nos damos conta dessa violência no cotidiano, da economia sinistra que se espalha pelos nossos rios? O que isso significa e em que tudo isso vai dar? Vamos começar por aí, vamos semear boas atitudes, escolher estratégias, entender e resolver o problema. Isso já começaria a espalhar um cheiro agradável de ordem e tranquilidade

Saleh Hamdeh: "Arrumar não pode ser a mesmice do mesmo"!
"O que dizer de um jargão construído no bojo de um processo eleitoral tumultuado, numa eleição às pressas, no cotidiano de um estado todo fragmentado politicamente e com uma base econômica atingida pelo tiro de morte de uma gestão federal destroçada. Falácia, Oportunismo? Confesso que minha expectativa com relação a esse governo tampão que aí vem não passa da 'mesmice do mesmo'. O que esperar da gestão de um ano e quatro meses de um gestor que já esteve à frente do executivo estadual e municipal, por várias oportunidades, 3 vezes em cada esfera, senão a mesmice do mesmo? O que esperar de um governo que se elegeu sem um plano de governo, sem uma equipe nova e renovada, com resultados de votos omissos ou comprovadamente contrários que superam as marcas históricas de rejeição? O Amazonas precisa de um projeto de estado, com aval, consulta e participação da sociedade, com foco na educação, na gestão responsável e transparente dos gastos públicos, investimentos em infraestrutura básica, investimentos em capital intelectual, em ciência e tecnologia, capaz de transpassar gestão ou mandatos. Não personalizado do tipo" " eu faço e aconteço! Que possa ser adotado, expandido e aperfeiçoado por quem virá nos próximos governos, seja A, B ou C. "